quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Do avesso




É estranho como alguns sonhos nos remete a situações aparentemente vivenciadas, não pela narrativa dos fatos, mas por não terem nexo, por não fazerem sentido. Tenho me perguntado por que entre a gente não há entendimento possível. Por que estamos sempre nos confrontando como se estivesse sob o efeito de uma provável cegueira, impedindo-o de ver com clareza as coisas ou se deixasse levar pela maledicência alheia, enveredado por tramas sórdidas, ou eu que não enxerguei de imediato à verdadeira face que o encobre.

Desculpe-me, mas é tão estranho parecer odiar e maltratar alguém que gosta tanto de ti, assim do nada, sem motivos e sem nenhuma razão lógica. Martelei a cabeça procurando entender, mas não consegui.

Sonhei contigo a noite passada, um sonho esquisito. Eu estava numa sala ampla dando uma palestra para jovens. Tinha muitas sacolas numa mesa, duas delas pesavam como chumbo, um buquê de rosas que eu havia ganhado num móvel ao canto da sala. Ao término da palestra ofereceu-me para ajudar. Eu estranhei, e perguntei você me ajuda? Mas fiquei grata e feliz. Olhei de soslaio aquele homem alto e gentil ao meu lado, como era logo no início. Tive uma imensa sensação de segurança. Ele era uma fortaleza. De repente, questionou-me por que eu havia convidado o sargento para ajudar-me com os apetrechos e disse-me que também sabia manusear uma arma. Pegou uma, calibre 38, encheu de balas e mostrou-me orgulhoso de si. Respondi que eu não o havia convidado, ele que tinha se oferecido. E seguimos caminhando lado a lado até minha residência. Chegando lá procurei o buquê de rosas vermelhas, em até certo desespero pelo grau de importância que tinha para mim. Retornei ao local para ver se não havia esquecido onde tinha colocado anteriormente até que encontrei na residência dentro de uma bolsa plástica, num vaso de lixo. De repente, o amor, a paixão avassaladora que senti tinha sido jogada ali. De repente, o homem gentil que fez meu coração transbordar de encantamento e carinho transformou-se num algoz, com arma em punho, orgulhoso de seu poder. De repente, tudo mudou. E nada, por mais que se queira, por mais que tente, seria novamente como antes.


_ Angella Reis

9 comentários:

Flor de Lótus disse...


Oi,Angella1Que bom que tu voltou a psotar.Beijosss

Flor de Lótus disse...

OI,Angella!Agora vim com mais calma pra ler teu texto,há sonhos que com o passar do tempo viram pesadelo infelizmente. O jeito é seguir em frente acreditando em dias melhores.
Beijosss

Benno disse...

Eu sempre desprezei meus sonhos tomandos por puro non-sense, até ler um livro de reflexões e memórias de Jung. Depois disso, comecei a tentar ver meu sub-consciente através deles.
Beijo

Will disse...

Ângela,

intensa confissão. Turbilhão de correntezas num sonho descrevendo outro sonho.

Gentil abraço!

Lilá(s) disse...

‎.•*´¨`*•.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•★♥ Hoje venho desejar saúde, paz, amor e muita alegria... FELIZ NATAL!

Beijinhos

Will disse...

Ângella,

passando para desejar um natal maravilhoso para você e família!

Talita disse...

"Que o seu Natal seja cheio de paz e harmonia
em companhia dos amigos e da família.
Que a passagem deste ano renove
e revigore em todos nós a esperança de saúde,
prosperidade, bem estar e felicidade.
Feliz Natal!!
Beijos"

AquilesMarchel disse...

certa manhã acordei de sonhos intranquilos já dizia Otto
como esta aventureira?

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Ângela
O príncipe que vira sapo só pode dar mesmo um pesadelo...
Gostei muito pois descreve a realidade dos fatos em muitos casos...
Bjm de paz e orante

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails